28 DE FEVEREIRO – SÃO ROMÃO E SÃO LUPICINO

28 DE FEVEREIRO – SÃO ROMÃO E SÃO LUPICINO – dois irmãos peregrinos que viveram durante o século V, na França. São Romão entrou para a vida religiosa com 35 anos, na França, onde nasceram os dois santos de hoje. Ele foi discernindo sua vocação, que o deixava inquieto. Depois de conhecer o testemunho dos Padres do deserto, deixou o convento e foi peregrinar, procurando o lugar onde Deus o queria.
Indo para o Leste, encontrou uma natureza distante de todos e percebeu que ali deveria ficar.
Vivia os trabalhos manuais, a oração e a leitura, até quando o seu irmão Lupicino, então viúvo, uniu-se a ele. Fundaram, a partir daí, um novo Mosteiro.
Romão tinha um temperamento dado à misericórdia, à compreensão e tolerância. Lupicino era justiça e intolerância. Nas diferenças, os irmãos se completavam, e ajudavam aos irmãos da comunidade, mostrando que a santidade se dá nessa conjugação: amor, justiça, misericórdia, verdade, inspiração, transpiração, severidade, compreensão. Eles, na verdade, eram iguais na busca da santidade.
Conta-se que Romão e Lupicino viviam em paz e felicidade, quando o demônio resolve perturbá-los durante um retiro de oração. Quando se ajoelhavam para rezar, o demônio fazia chover pedras cortantes sobre eles, impedindo-os de continuar. Eles resistiam por um tempo, mas logo abandonaram as orações e o retiro. Ao chegarem numa pequena aldeia, hospedaram-se na casa de uma pobre mulher. Sem nenhuma vergonha, eles disseram o que havia acontecido, ao que a mulher lhes disse: “Vós deveríeis lutar corajosamente contra o demônio e não temer os embustes e ódio daquele que tão frequentemente foi vencido pelos amigos de Deus. Se ele ataca os homens, é por medo de que eles, por suas virtudes, subam ao lugar de onde a perfídia diabólica os fez cair. ” Depois de ouvirem esta advertência, envergonhados, os irmãos consideraram a fraqueza que experimentaram, voltaram e, com firmeza nas orações, venceram o maligno.
Devido à procura pela vida monástica, Romão fundou dois mosteiros masculinos e um mosteiro de clausura feminino, na França. Os três mosteiros seguiam as regras severas disciplinares que Romão havia escrito e que, para ele, seria o correto para a vida nos mosteiros.
Consta dos documentos da Igreja que, numa viagem feita por Romão e um dos seus discípulos, ao sepulcro de São Maurício, em Genebra, eles ficaram hospedados numa caverna onde viviam dois leprosos. Romão abraçou a ambos num gesto de acolhimento, solidarizou-se com suas dores e, na manhã seguinte, ambos estavam curados. Os documentos mostram que esta viagem foi cheia de prodígios e milagres.
A popularidade de Romão como um santo milagreiro, após este episódio, intensificou-se por toda a Europa.
No entanto, São Romão não gostou de toda a veneração que lhe estava sendo atribuída e decidiu se isolar no seu mosteiro o resto da vida, até morrer em 28 de fevereiro de 463, aos 73 anos. E em 480 vai para a glória São Lupicino.
Os santos de hoje mostram o quanto a graça divina atua nas almas dos que seguem os passos de Cristo, impulsionando-os para a oração de confiança, no caminho espiritual da cruz com Jesus, que oferece bem maior que ninguém pode tirar da nossa vida interior, o amor perfeito que é libertador e abre o céu para nós.
São Romão e São Lupicino, rogai por nós.
FONTE:
https://santo.cancaonova.com/santo/santos-romao-e-lupicino/?sDia=28&sMes=02&sAno=2020
https://cruzterrasanta.com.br/historia-de-sao-romao-e-sao-lupicino/349/102/
https://www.calendarr.com/brasil/dia-de-sao-romao-e-lupicino/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Cidade em Pauta 28/02/20

sex fev 28 , 2020
Entrevista com Flavia Presidente da Apae de Colíder, falando sobre o leilão da Apae e a pizza