Caminhoneiros: ‘Borracharias, oficinas e restaurantes não podem fechar’

Segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, o Brasil viverá o efeito da greve de 2018 somado à crise do coronavírus se o transporte de cargas for paralisado; pasta tem recebido notificações de bloqueios em acessos estaduais e municipais

Foto: Governo Federal

Depois do transporte e entrega de cargas terem sido regulamentados como atividades essenciais em meio à crise do coronavírus, o desafio do governo agora é manter estradas e rodovias liberadas para que caminhoneiros possam garantir o abastecimento do país. 

Nos últimos dias, o Ministério da Infraestrutura recebeu notificações de bloqueios em acessos estaduais e municipais. Com intenção de criar consenso sobre o tema, nesta segunda-feira, 23, o ministro Tarcísio Gomes participou de uma videoconferência com Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste) com os governadores de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Minas Gerais.

No encontro, eles se comprometeram a dialogar com prefeitos dos estados para garantir a livre circulação de produtos e, por consequência, o abastecimento das cidades.

Tarcísio Gomes ainda reforçou a necessidade de borracharias, oficinas e pontos de alimentação se manterem abertos em todo o país. Esses comércios também são enquadrados como atividades essenciais por serem ‘acessórias’ ao transporte de cargas. O funcionamento desses tipos de estabelecimentos também está garantido no decreto publicado na última semana.

“Se matarmos o transporte rodoviário de carga, teremos o efeito da greve de 2018 somado à crise do coronavírus”, alertou Freitas.

O apelo agora deverá ser estendido aos prefeitos para evitar a interdição de obras de manutenção e bloqueios em rodovias, como há registros pelo país. “Estamos vendo justas homenagens aos profissionais da saúde e da segurança pública, mas está na hora de homenagearmos também os profissionais do transporte de cargas”, disse o ministro.

Freitas destacou ainda medidas que o governo federal vem adotando para manter o trabalho dos portuários e defendeu que os aeroportos continuem abertos, apesar da queda no número de voos e passageiros.

Fonte: https://www.canalrural.com.br/noticias/caminhoneiros-borracharias-oficinas-e-restaurantes-nao-podem-fechar/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Alta Floresta monitora três casos suspeitos de coronavírus, pacientes isolados

ter mar 24 , 2020
O último boletim informativo divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso aponta que Alta Floresta possui atualmente três casos suspeitos de coronavírus. Os casos são devidamente acompanhados pelas equipes de Vigilância Epidemiológica do Estado e dos municípios. De acordo com a nota, são três casos suspeitos e […]