É Bom saber de Hoje dia 26/02/20

Quarta-feira de Cinzas

quarta-feira de cinzas é o primeiro dia da Quaresma no calendário Cristão ocidental (Católico). As cinzas que os Cristãos Católicos recebem neste dia são um símbolo para a reflexão sobre o dever da conversão, da mudança de vida, recordando a passageira, transitória, efêmera fragilidade da vida humana, sujeita à morte.[1]

Ela ocorre quarenta dias antes da Páscoa (sem contar os domingos) ou quarenta e seis dias (contando os domingos). Seu posicionamento no calendário varia a cada ano, dependendo da data da Páscoa. A data pode variar do começo de fevereiro até a segunda semana de março.

A Igreja Católica Apostólica Romana trata a quarta-feira de cinzas como um dia para se lembrar a mortalidade. Missas são realizadas tradicionalmente nesse dia nas quais os participantes são abençoados com cinzas pelo Padre que preside a cerimónia. O Padre mancha a testa de cada celebrante com cinzas, deixando uma marca que o Cristão normalmente deixa em sua testa até ao pôr do sol, antes de lavá-la. Esse simbolismo relembra a antiga tradição do Médio Oriente de jogar cinzas sobre a cabeça como símbolo de arrependimento perante Deus (como relatado diversas vezes na Bíblia). No Catolicismo Romano é um dia de jejum e abstinência.

Como é o primeiro dia da Quaresma, ele ocorre um dia após o Carnaval. A Igreja Ortodoxa não observa a quarta-feira de cinzas, começando a quaresma já na segunda-feira anterior a ela, enquanto no rito ambrosiano da Igreja Católica Romana a Quaresma começa no próximo domingo e o Carnaval continua até o sábado, chamado Sabato Grasso (“Sábado Gordo”) e não se celebra a quarta-feira de cinzas.

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Quarta-feira_de_cinzas#/media/Ficheiro:Carl_Spitzweg_-_Aschermittwoch.jpg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Ainda no cargo, Selma defende eleição suplementar junto com municipais

qua fev 26 , 2020
Cassada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas ainda no exercício da função de Senadora, a juíza aposentada Selma Arruda (PODE) voltou a criticar a agilidade da corte em agendar a eleição suplementar para o mês de abril e defendeu que o pleito aconteça junto com as eleições municipais em outubro. […]