Presidente da Ager-MT diz sofrer ameaças por combater sonegação fiscal e pede proteção policial ao governo

Documento enviado ao estado, Fábio Calmon diz que tem feito ações para eliminar a existência de uma possível máfia dos transportes e, por isso, precisaria de proteção.

Fábio Calmon disse que está sendo ameaçado — Foto: Ager/Assessoria
Fábio Calmon disse que está sendo ameaçado — Foto: Ager/Assessoria

O presidente da Agência Estadual dos Serviços Públicos Delegados (Ager) afirmou que empresas do transporte intermunicipal sonegam mais de R$ 500 mil por mês e que, por causa do trabalho de combate à sonegação fiscal e preços abusivos das passagens de ônibus, está sendo ameaçado. Fábio Calmon pediu proteção policial ao Governo de Mato Grosso.

O governo informou que a solicitação foi encaminhada à Casa Civil e Secretaria Estadual de Segurança Pública (Sesp) para que seja fornecido parecer que embase a decisão do governador, e informou ainda que não há prazos para que isso aconteça.

Essa é a segunda vez que o presidente da Ager pede proteção ao governo por se sentir ameaçado.

No documento enviado ao estado, ele diz que tem feito ações para eliminar a existência de uma possível máfia dos transportes e, por isso, precisaria de proteção.

“Infelizmente uma das diretoras não aguentou essas ameaças que começaram desde ligações até recados dizendo: ‘Toma cuidado. Começa usar colete à prova de bala’. Ela pediu para sair com medo de morrer. Essas ameaças começaram a circular não só à minha equipe, como a mim também”, contou.

Fábio disse que já registrou dois boletins de ocorrência devido às ameaças.

Desde que assumiu a presidência de Ager, em julho de 2018, Fábio contou que encontrou passagens com preços abusivos, péssima qualidade do transporte e sonegação fiscal.

“A sonegação detectada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), por ano, ela é em torno de R$ 40 milhões a R$ 50 milhões. No entanto, a estimativa é de muito mais. As empresas que assinaram os contratos em 2019, em um mês, pagaram o que outras empresas não pagaram em cinco anos”, disse.

Concessão do Terminal Rodoviário de Cuiabá se arrasta há, pelo menos, 10 anos, segundo o presidente — Foto: Rafael Manzutti/Gcom-MT
Concessão do Terminal Rodoviário de Cuiabá se arrasta há, pelo menos, 10 anos, segundo o presidente — Foto: Rafael Manzutti/Gcom-MT

O auxiliar de eletricista Reinaldo Sobral é de Sapezal, a 473 km de Cuiabá, e contou que o valor da passagem da cidade onde mora para a capital oscila muito.

“Era bom ter um preço fixo para não passarmos por desacordos, porque às vezes falam que está R$ 130 e quando chego para comprar está R$ 140”, disse.

A concessão do Terminal Rodoviário de Cuiabá se arrasta há, pelo menos, 10 anos. Para o presidente da Ager essa demora pode ser indício de interesse.

“O prazo inspirou há 10 anos e, por isso, a luta é tão grande. O Ministério Público vem entrando com ações e tentando combater essa corrupção desde 1999. Muita coisa se efetivou somente em 2019”, avaliou.

Fábio explicou que as ameaças contra e ele e também contra a ex-secretária dele se intensificaram após colaborarem com as investigações do Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco-MT).

“Estou levando tudo que vem acontecendo no dia a dia. Não deixo nada comigo, sempre informo aos órgão de controle”

O presidente disse que aguarda resposta do governo. “Acredito que a Casa Militar que analisa esses pedidos vai olhar isso com atenção, pois a gente tem que tomar cuidado, não se intimidar e continuar fazendo a coisa certa”, ressaltou.

Fonte: https://g1.globo.com/mt/mato-grosso/noticia/2020/03/03/presidente-da-ager-diz-sofrer-ameacas-por-combater-sonegacao-fiscal-e-pede-protecao-policial-governo-de-mt.ghtml

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Alcolumbre suspende sessão e vetos à LDO serão votados nesta quarta

qua mar 4 , 2020
Projetos de lei do governo demoraram a chegar e motivaram decisão A sessão do Congresso Nacional foi suspensa na noite de hoje (3) sem conclusão da votação dos vetos presidenciais sobre a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). A mesma votação já havia sido adiada antes do carnaval. O presidente do Congresso […]