Universidade fará estudos voltados à implantação da ferrovia Sinop (MT) a Miritituba (PA)

A Ferrogrão terá 933 quilômetros de extensão, ligando Sinop (MT) ao porto de Miritituba (PA), e ampliando a capacidade de escoamento da produção de grãos pelo Arco Norte do país.

Via Só Notícias

Imagem: Só Noticias

O Governo Federal, através do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), firmou uma parceria com a Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) para diagnosticar a capacidade do poder local de fazer a gestão do território nos municípios próximos à BR-163, entre Mato Grosso e Pará, na região de implantação da Ferrogrão. A área abrange os municípios de Aveiro, Itaituba, Jacareacanga, Novo Progresso, Rurópolis e Trairão, todos no Pará.

Projeto do Ministério da Infraestrutura (MInfra), a Ferrogrão terá 933 quilômetros de extensão, ligando Sinop ao porto de Miritituba (PA), e ampliando a capacidade de escoamento da produção de grãos pelo Arco Norte do país. Atualmente, mais de 70% da safra mato-grossense é escoada pelos portos de Santos (SP) e de Paranaguá (PR), a mais de 2 mil quilômetros da origem.

“É o projeto de infraestrutura mais ambicioso da nossa história recente e com um potencial transformador para o agronegócio do Mato Grosso. A gente visa criar uma competição com todo o sistema que leva aos portos do Sul e, assim, reduzir o valor do frete e, consequentemente, do custo Brasil”, explica Tarcísio Gomes de Freitas, ministro da Infraestrutura.

A Ferrogrão foi qualificada no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e o leilão da concessão tem previsão de publicação para este ano – estudos de viabilidade e as minutas de edital e contrato estão em avaliação no Tribunal de Contas da União (TCU). São previstos cerca de R$ 21,5 bilhões em investimentos. As informações foram divulgadas, esta noite, pelo governo federal. 

Redação Só Notícias (foto: assessoria)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Número de alertas de desmatamento na Amazônia é 2º pior em 5 anos, apontam dados do Inpe

sex jan 8 , 2021
O índice ficou abaixo apenas do recorde histórico de 2019. Julho foi o mês com mais alertas no ano. Aumento para dezembro em relação a 2019 é de quase 14%. Via G1/MT 2020 foi o segundo pior ano de desmatamento na Amazônia Legal desde 2015, com um total de 8.426 km², […]