Brasil e Canadá formalizam cooperação técnica na área agrícola

Edição gênica, agricultura de precisão, cereais e mudanças climáticas estão entre as áreas de pesquisa priorizadas pela parceria

Via Assessoria Embrapa

O vice-ministro adjunto do AAFC, Gilles Saindon, assinou o Memorando de Entendimento com a Embrapa – Foto: Fernanda Diniz

A Embrapa e o Agri-Food Canada (AAFC) assinaram Memorando de Entendimento (MOU) que formaliza a cooperação técnica entre as duas instituições. Em decorrência da pandemia causada pelo novo coronavírus, o documento foi assinado virtualmente por Celso Moretti, presidente da Embrapa, e por Gilles Saindon, vice-ministro adjunto do Departamento de Ciência e Tecnologia do AAFC (STB, sigla em inglês). O MOU consolida uma parceria que já existe desde meados dos anos 2000 nas áreas de melhoramento genético de trigo e mudanças climáticas, e abre portas para novas pesquisas e inovações em campos avançados da ciência, como edição gênica e agricultura de precisão.

Apesar das diferenças climáticas e socioeconômicas, Brasil e Canadá são países continentais com desafios semelhantes no que se refere à produção de alimentos, produtos agroindustriais e sustentabilidade dos sistemas agropecuários. Essa convergência de interesses em prol do desenvolvimento de soluções e inovações para a agricultura foi ressaltada pelos dirigentes da Embrapa e do AAFC durante a cerimônia virtual de assinatura do documento, que contou ainda com a participação de Guy de Capdeville e Adriana Martin, respectivamente diretores de P&D e Inovação e Tecnologia; de Alexandre Varella, coordenador do Labex EUA, além de secretários, gestores e pesquisadores das duas instituições.

“Nem mesmo a pandemia nos impediu de discutir, avançar e assinar esse documento tão importante para formalizar e estreitar a parceria com a Embrapa”, destacou Saindon. Ele disse que nas várias vezes em que visitou o Brasil, teve a oportunidade de conhecer diversas unidades de pesquisa da Empresa em diferentes regiões brasileiras e sempre identificou oportunidades de interação com o STB. Hoje, o departamento, que é o braço do AAFC para a ciência e tecnologia no Canadá, conta com 20 centros de pesquisa e coordena aproximadamente 900 projetos voltados à agropecuária.

O presidente da Embrapa ressaltou que, até nesse ponto, as instituições são similares, visto que o portfólio de pesquisa da Embrapa hoje também conta com cerca de 900 projetos. Moretti comemorou a formalização da parceria e a importância que representa para fortalecer a sustentabilidade e a competitividade do agro dos dois países.

Ele enfatizou a importância da ciência e da cooperação com instituições brasileiras e internacionais para o desenvolvimento da agricultura. “Essas foram as principais bases para que o Brasil saltasse da posição de importador de alimentos, na década de 1970, para ser um dos principais players do agronegócio mundial atualmente”, pontuou o presidente. A “saga brasileira”, como define Moretti, teve como principais pilares a transformação dos solos pobres e ácidos em terras férteis, a tropicalização de plantas e animais e a construção de uma plataforma sustentável.

“A assinatura do Memorando de Entendimento com o AAFC abre horizontes para a troca de conhecimentos e experiências em novas áreas, que vão garantir a continuidade do crescimento do agro dos dois países, como segurança alimentar e nutricional, biotecnologia, Big DataMachine Learning, entre tantas outras”, celebrou o presidente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

"BR 163 SEM COVID É TOP": atendimento na fase inicial têm maior respaldo científico; projeto entra em ação na terça (28)

seg jul 27 , 2020
Segundo Manoel Barral Neto, pesquisador da Fiocruz, “a relevância dos testes está não só em detectar quem está doente, mas em ter controle dos contatos desses pacientes. Por Claudemir G. de Lima O foco principal do projeto “BR 163 SEM COVID É TOP” é atender caminhoneiros do trecho rodoviário de […]