CNA detalha medidas para proteger produtor e abastecimento; confira

Em transmissão feita nesta sexa, a entidade tirou dúvidas sobre como o setor deve agir nas próximas semanas 

Foto: Ministério da Agricultura/divulgação

O superintendente técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Bruno Lucchi, afirmou que a entidade vai continuar trabalhando para garantir que não falte alimentos na mesa do brasileiro durante este período de crise causado pelo novo coronavírus (Covid-19)

O superintendente participou nesta sexta-feira, 27,  de uma conversa ao vivo no Instagram da Confederação para esclarecer algumas questões sobre produção, distribuição de insumos, abastecimento de alimentos e o que está sendo feito para proteger os produtores. As informações partem da assessoria de comunicação da CNA.

Durante a transmissão online, Bruno citou as principais ações da CNA para reduzir os impactos na comercialização dos produtos agropecuários, como o trabalho feito junto ao governo para a edição da Medida Provisória 926 e do decreto 10.282, que definem a alimentação como atividade essencial durante a quarentena.

“Nós sabíamos que se não houvesse um normativo legal para determinar que a alimentação fosse uma prioridade, todo o processo produtivo seria  interrompido e muitos seriam prejudicados. O objetivo era que produtores, agroindústrias, fornecedores de insumos e transportadoras continuassem em pleno funcionamento”. 

Ao citar as ações da entidade, o superintendente disse que há uma atenção especial aos setores que estão sendo afetados diretamente (leite e derivados, frutas, flores e hortaliças e crustáceos), pois vendem os produtos para feiras e restaurantes, que estão fechados em vários estados. 

 “Inicialmente o nosso trabalho foi apresentar ao Ministério da Agricultura (Mapa) uma série de medidas relacionadas ao crédito rural e à tributação. Uma delas foi a prorrogação automática de todos os tipos de financiamento, principalmente custeio e investimento. Outro ponto foi a suspensão de qualquer tipo de procedimento em que o produtor precise ir ao cartório ou agência bancária”. 

Bruno também falou do Whatsapp disponibilizado pela CNA – (61) 93300-7278-, um canal de comunicação direto com os produtores rurais para identificar problemas de saúde, logística, insumos e comercialização durante a pandemia.

“A comercialização tem sido uma das principais queixas dos produtores. Muitos estão relatando perdas dos canais de venda e distribuição, redução de preços ou dificuldades com a logística”. 

Segundo Lucchi, a CNA defende a urgência na aprovação do Projeto de Lei 786/2020, que prevê a distribuição de alimentos da merenda escolar às famílias de estudantes da rede pública, que tiveram as aulas suspensas. “A proposta é fundamental nesse momento de crise, pois beneficia os produtores que precisam continuar vendendo os produtos e as famílias que precisam de alimentos de qualidade”.

Ao falar sobre os impactos no consumo de alimentos, o superintende técnico destacou o aumento da demanda de ovos nas redes varejistas. “Isso é uma sinalização de que o ovo pode ser uma substituição de proteína de alto valor agregado nesse momento de crise econômica”.

Bruno finalizou a conversa dizendo que o setor agropecuário tem uma responsabilidade muito grande em continuar produzindo alimentos para a população brasileira. “Toda a cadeia produtiva é importante nesse momento. 

É hora de manter a tranquilidade e a organização para que os produtos cheguem à mesa de todos”.

Fonte; https://www.canalrural.com.br/noticias/agricultura/cna-detalha-medidas-para-proteger-produtor-e-abastecimento-confira/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Confira a previsão para o fim de semana

sáb mar 28 , 2020
Corredor de umidade vindo da Amazônia muda o tempo no Centro-Sul do Brasil Sul  A condição de chuva começa a aumentar no Sul do Brasil devido a atuação de um corredor de umidade que transporta ar quente e úmido da Amazônia até a região. A chuva ainda não vem grandes […]