Funcionários dos Correios de MT devem aderir a paralisação e entrar em greve

Via Olhar Direto

Foto: disponivel em Olhar Direto

O Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso (Sintect-MT) convocou os trabalhadores nos Correios em Mato Grosso para assembleia geral extraordinária, na quinta-feira (30), que irá definir se eles irão aderir  à greve nacional aprovada  para o dia 4 de agosto. A categoria busca manutenção do acordo salarial, realização de concurso público e também é contra a privatização da empresa. 

Segundo Alexandre Aragão, diretor do Sindicato, os trabalhadores não querem greve em meio a pandemia, mas ela é “o último recurso para garantir direitos, dos trabalhadores, que estão ameaçados”. 

Alexandre pontua ainda que a diretoria da ECT quer eliminar 70 das 79 cláusulas do Acordo, ainda em vigência, assinado com intermediação do Tribunal Superior do Trabalho (TST) no Dissidio Coletivo instaurado a pedido da própria ECT em 2019.  

O diretor avalia que o único objetivo da ECT é acabar “com direitos conquistados ao longo dos anos, com uma canetada já a partir de 1º de agosto; a empresa não admite que os trabalhadores tenham direito”. 

De acordo com as lideranças sindicais, para tentar vencer esta luta de derrubar direitos, a diretoria dos Correios tem promovido uma campanha maldosa, através da mídia, contra os trabalhadores alegando dentre outros pontos que vai retirar “supostos privilégios dos trabalhadores”. 

Na opinião do Aragão, a campanha tem objetivos bem claros: expor de maneira imprudente os trabalhadores dos Correios e colocar a opinião pública contra eles. “Os trabalhadores não tem privilégio, os trabalhadores tem direitos conquistados com muita luta, suor e sangue”, afirmou Aragão acrescentando que  “a presidência da ECT faz esse discurso de desmerecer os trabalhadores para ganhar a simpatia da sociedade.  Segundo ele, com a retirada dos direitos, só vai restar o salário-base que é de 1.700,00”, afirmou Aragão, que disse ainda que a luta é “pela vida, por direitos e emprego”. 

Da Redação – Wesley Santiago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.