Indígena com Covid-19 perde o bebê após médico se recusar a fazer parto e percorre 500 km para conseguir ajuda em MT

A indígena foi transferida para Água Boa, a mais de 500 km de distância de onde mora, com o bebê morto no ventre, porque o único cirurgião do hospital tem mais de 60 anos.

Via G1/MT

Por Flávia Borges

Indígenas da Aldeia Madzabdzé — Foto: Adriano Gambarini/OPAN

Uma indígena de 26 anos, grávida de 38 semanas, diagnosticada com Covid-19, precisou ser transferida para o Hospital Regional de Água Boa, a 736 km de Cuiabá, após a recusa de atendimento do Hospital Regional João Abreu Luz, em São Félix do Araguaia, que fica a cerca de 500 km de onde ela mora, depois de perder o bebê.

Conforme denúncia feita pela Operação Amazônia Nativa (Opan), Liliane Xavante chegou ao hospital João Abreu Luiz, que fica sob a gestão municipal, ainda com o bebê vivo no ventre. A recusa no atendimento teria ocorrido sob a argumentação de que o único cirurgião do hospital teria mais de 60 anos e, por isso, integraria o grupo de risco, e não poderia realizar o parto.

Longe do apoio afetivo dos parentes de sua aldeia, a indígena teve que sofrer a perda do filho e a discriminação.

Assim, Liliane Xavante foi transferida para outra unidade hospitalar. Percorreu um trajeto de 500 quilômetros por estradas de terra com o filho morto no ventre. A retirada da criança só ocorreu 72 horas após o óbito, no Hospital de Água Boa.

Os problemas enfrentados pelo povo Xavante têm mostrado que uma pandemia não pode ser derrotada sem os esforços de muitas frentes. Por isso, Ivar Busatto, coordenador-geral da Operação Amazônia Nativa (Opan), ressalta que articulação e diálogo são primordiais. “É preciso trabalho conjunto. O planejamento de uma comunicação mais ampla garantiria o sucesso de muitas ações e combateria discriminações. O desafio está lançado para todos que podem colaborar no enfrentamento dessa pandemia”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Recuperação judicial ainda é ineficiente no Brasil, diz secretário

sex ago 28 , 2020
Waldery Rodrigues comemorou aprovação da nova lei de falências Via Agencia Brasil O secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues afirmou ontem na quinta-feira (27) que a nova lei de falências, aprovada  pela Câmara dos Deputados, vai aumentar a taxa de recuperação do crédito no país. O texto, […]