Novo decreto implanta em Alta Floresta (MT) protocolo para tratamento com hidroxicloroquina

Via Noticia Exata

Foto: Divulgação

O prefeito de Alta Floresta (MT), Asiel Bezerra assinou no último dia 13 de julho o decreto nº 118/2020, que implanta protocolo para tratamento do covid-19 no município de Alta Floresta. O protocolo institui o uso de Hidroxicloroquina/Cloroquina em associação com Azitromicina para COVID-19.

Conforme o decreto, os procedimentos de aquisição de medicamentos para implantação concreta do protocolo para tratamento de COVID-19 terão prioridade absoluta de tramitação.

Confira decreto em anexo.

O executivo destaca que a aquisição dos medicamentos deverá ser feita na modalidade de registro de pregos, tendo em vista que há rumores que o Estado de Mato Grosso ire encaminhar kits aos Municípios, todavia sem data especifica.

A decisão para implantação do protocolo leva em consideração o aumento de casos do COVID-19 (Novo Coronavírus) no Estado de Mato Grosso.

Uma vez que o aumento de casos implica em uma maior taxa de ocupação dos leitos hospitalares e de UTI destinados ao COVID-19 Novo Coronavírus).

Para o uso da medicação o paciente deverá assinar um termo de autorização e também o médico responsável deverá assinar uma declaração orientando sobre, o propósito, os benefícios, os riscos e as alterativas para o tratamento.

O decreto também trás uma avaliação do médico Renes Dantas da Silva, sobre o ouso dos medicamentos:

“A cloroquina e a hidroxicloroquina são medicamentos disponíveis há muitos anos para a prevenção e tratamento da malária e também para o tratamento de algumas doenças reumáticas como artrite reumatoide e lúpus.

Investigadores chineses demostraram a capacidade dessas drogas de inibir a replicação do Coronavírus em laboratório (in vitro). Um estudo francês mostrou que a eliminação do Coronavírus da garganta de portadores da COVID-19 se deu de forma mais rápida com a utilização da combinação de hidroxicloroquina e o antibiótico azitromicina, quando comparados a pacientes que não usaram as drogas. Entretanto, não há até o momento, estudos suficientes para garantir certeza de melhora clínica dos pacientes com COVID-19 quando tratados com cloroquina ou hidroxicloroquina”

O profissional ainda relata:

A Cloroquina e a hidroxicloroquina podem causar efeitos colaterais como redução dos glóbulos brancos, disfunção do fígado, disfunção cardíaca, arritmias e alterações visuais por danos na retina.

Compreendi, portanto, que não existe garantia de resultados positivos para a COVID-19 e que o medicamento proposto pode inclusive apresentar efeitos colaterais;

Estou ciente de que o tratamento com cloroquina ou hidroxicloroquina associada a azitromicina pode causar os efeitos colaterais descritos acima e outros menos graves ou menos frequentes, os quais podem levar a disfunção de órgãos, ao prolongamento da internação, a incapacidade temporária ou permanente e até ao óbito.

O profissional finaliza enfatizando que independente do uso da cloroquina ou hidroxicloroquina associada a azitromicina, será mantido o tratamento padrão e comprovadamente benéfico para minha situação, que pode incluir medidas de suporte da respiração e oxigenação, ventilação mecânica, drogas para sustentar a pressão e fortalecer o coração, hemodiálise e antibióticos, entre outras terapias oferecidas a pacientes que estão criticamente doentes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Mais de 300 animais são resgatados e 70 encaminhados para hospital no primeiro semestre em MT

sex jul 17 , 2020
Durante as ações de combate aos crimes ambientais, a Polícia Militar retirou de circulação 27 armas de fogo e conduziu 153 pessoas à delegacia. Via G1/MT O Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental resgatou 371 animais na região da baixada cuiabana, nos primeiros seis meses do ano. Desse total, […]