Pecuaristas do PA e MT recebem plataforma de rastreabilidade para bovinos

Projeto da Fundação Solidaridad pretende atender 5,4 mil propriedades rurais da Amazônia com investimento de R$ 60 milhões

Via Canal Rural

Foto por: disponível em AgroRevenda

Durante a cúpula das Américas, o presidente norte-americano, Joe Biden, anunciou US$ 12 milhões (cerca de R$ 60 milhões) para proteção da Amazônia por conta da importância da floresta para a regulação do clima global. E a Fundação Solidaridad se comprometeu a usar esse recurso em um projeto para ajudar a reduzir ou zerar o desmatamento em 5,4 mil propriedades rurais do Brasil, Colômbia e Peru com diferentes ações, entre as quais está a rastreabilidade dos animais.

Em participação ao vivo no Planeta Campo, o gerente nacional da Solidaridad Network, Rodrigo Castro, explicou que no Brasil a iniciativa chamada de Amazônia Connect, deve ser dedicada à pecuária de corte no Pará e no Mato Grosso. Os pequenos produtores vão receber assistência técnica e oferta de uma plataforma digital para rastreabilidade dos bovinos. “Vamos implantar um sistema de rastreabilidade para dar mais segurança para o produtor e para o mercado. E assim, conectar produtores que estão participando da iniciativa”. Tudo isso dentro de uma lógica de baixo carbono onde a gente preserva floresta e reduz a emissão de carbono associados a produção de alimento por desmatamento”, afirmou.

Entre 2015 e 2021, a fundação conseguiu reduzir drasticamente a abertura de áreas em 230 propriedades de pequenos produtores de cacau e pecuária no Pará. Em seis anos, a abertura de novas área caiu 64%. Quando este trabalho começou, 33 famílias abriam áreas e, no ano passado, apenas 12 fizeram.

Esse projeto também atraiu o setor privado. O Fundo JBS pela Amazônia e a Elanco Foundation se comprometeram a investir cerca de R$ 25 milhões até 2026 para atender 1,5 mil famílias. A intenção é preservar mais de 20 mil hectares de floresta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Next Post

Suplementação alimentar pode ser prescrita por biomédicos, define conselho

sex jul 1 , 2022
Suplemento alimentar não é considerado medicamento Via Agencia Brasil Uma nova resolução do Conselho Federal de Biomedicina (CFBM) regulamenta as condições para que biomédicos possam assumir a responsabilidade técnica de empresas que produzem e comercializam suplementos alimentares. Além de devidamente registrados no conselho, os profissionais deverão ter habilitação em análises clínicas […]